domingo, 5 de outubro de 2008

#264 dentro de uma sala cheia.

Beleza é paga, é vista,
eu sou cego, eu sou pobre,
o meu corpo é material,
o teu é casual.

Você que já se vendeu,
que comprou,
que bebeu muito mais que duas cachaças,
e chega as 7:00 achando que ainda é cedo.

Cante pelo menos três canções,
te libero depois,
sua voz é brisa, é calor,
mas não força, dai estraga.

Não fique mudo esta noite,
eu me importo com sua voz,
eu sou plágio, não cópia,
é, eu sei quem sou.

Eu sei falar de mim,
mas você me entende,
meus pais não acrdeitam em mim,
e você sempre acreditou,
cante mais aquela canção,
que você fala de amor, de amizade, de necessidade,
de mim.

3 comentários:

chatinhadivertida disse...

Sorte sua que sabe quem é e sabe falar de si. A maioria das pessoas não sabe e nem nunca saberá. hehehe Passe lá no meu blog e fale mal dele porque é chato:
http://chatinhadivertida.blogspot.com/ mas é divertido!!!

Darinha disse...

Lindo o poema...
adorei o blog


te convido a ir no meu tah...

bjuss

Jéssica disse...

eu nunca gosto de poemas.
Mas esse *____*
muito bom! sem mentiras.

http://tudoalheio.blogspot.com/

Eles