quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Relação, relacionada.

Não. Não é uma confissão, muito menos uma carta de desabafo.

Acredito em certas coisas na minha vida, cada vez mais penso no que acreditar, no qu enão acreditar, e ando muito desacreditado. Nossa, isso é péssimo. Mas tentarei compartilhar, sei que as palavras são minhas amigas, ou não. Acho que amizade só fiz com as letras e seus sons, mas com as palavras temos um relacionamento difícil. É sobre isso mesmo que penso em dizer: Relacionamentos.

Não sei, não entendo, não quero entender (ou quero) os relacionamentos. Eles são imperdoáveis, volúveis e lúdicos. Mas vivemos a vida procurando relacionamentos perfeitos, seja com alguém pra chamar de marido ou mulher, com amigos, com seus pais ou mesmo com as palavras. E por pior que seja o pior relacionamento é o consigo mesmo. Credo, é péssimo. Eu me ataco diariamente, me corrijo todos os dias e me elogio todas as noites. É incrível a imbecilidade de querermos encontrar relacionamentos perfeitos, duradouros, o relacionamento é utópico demais, isso não faz bem. É como comer banana com catchup, já experimentei e é horrível.

Independente do tipo de pessoa, tá não depende do tipo de pessoas, prefiro não classificá- las, pessoas são incrivelmente inclassificáveis. É uma burrice dar nome ao nome. Todas as personas buscam um relacionamento perfeito, e quando se acaba um relacionamento que fora incrível, por mais que sofra, que haja mortes constantes, que role sangue ou perdições, ela termina com mais forças pra começar um novo. E este é um ciclo bizarro, um ciclo tenebroso, fugaz. Ciclo que não tem como fugir, um ciclo que está a noroeste, sudeste, norte, sul..

É de tamanha consciências que relacionamento é um bicho de treze cabeças, ou até quatorze, não sei. Mas a consciência maior é sabermos que ninguém é igual a ninguém, que todos somos ímpares. Ninguém nasce par, as panelas não precisam de tampas. Até precisam, mas as tampas só prestam nos momentos de fogo, de muito fogo e água no feijão. Tirando estes momentos a tampa é desnecessárias e inútil.

Não penso isto apenas de relacionamentos amorosos como já disse. Inúmeros relacionamentos, seja pessoal, com o ambiente ou com a realidade. Na verdade o conceito de relacionamento ainda é péssimo demais. E se isolar não é uma solução. No momento que estamos não há mais soluções, apenas acertos de relação. E as palavras um dia vou compreender, conhecer, dominar e subverter.

6 comentários:

Anderson Ribeiro disse...

adoreeei o texto! *-*

Luízα disse...

Momento densidade. Adorei ;D

Fe disse...

Adoro ler teus textos.
E esse ta demais.
bjaoo.

Hector Nathan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hector Nathan disse...

isso é algo que a maioria das pessoas fingem se enganar
talvez porque não seja muito atraente ao que o coração anseia mas a verdade é sempre mais intensa que qualquer auto-bajulação fraca
acho que é isso o que nos atrai, intensidade
"as tampas só prestam nos momentos de fogo"
demais o que escreveu

Arlequim disse...

To contigo e não abro ;)

Eles