terça-feira, 23 de setembro de 2008

lá.

Aquele ator que antes vivia em mim, hoje desceu as escadas do palco, foi telespectador, viu, criticou, gostou e odiou, já também foi para trás, gritou, se emocionou, seguiu diante, hoje vive pra lá e pra cá, contando, se expressando. E com linhas tortas, e versos de angústia, ganhou muito, e hoje que vive de métricas e sonetos, tem a incerteza de que amanhã vai poder acordar sem receios

2 comentários:

Jullio Cesar disse...

Acho tao bonitinha as coisas que voce escreve ger, queria ter criatividade assim :S

beeeijo

Alice disse...

demás, primo (:


Eles